Duas múmias egípcias de 5 mil anos, descobertas há 100 anos, surpreenderam os arqueólogos com uma novidade descoberta apenas agora.

Os pesquisadores chegaram à conclusão que as manchas que elas tinham nos braços eram, na verdade, tatuagens.

Com ajuda de raios infravermelhos, os arqueólogos encontraram ilustrações figurativas feitas nos corpos das duas múmias. Os detalhes dessa pesquisa foram publicados na revista de arqueologia Journal of Archaeological Science.

Daniel Antoine, curador de Antropologia Física do Museu Britânico e um dos autores do trabalho, ressalta que a descoberta "transformou" a ideia que os cientistas tinham de como as pessoas daquela época viviam.

"Apenas agora estamos tendo maior clareza sobre como era a vida desses indivíduos notavelmente preservados. Com mais de 5 mil anos de existência, eles mostram que as tatuagens na África apareceram mil anos antes do que as evidências mais recentes sugeriam", disse ele à BBC. 
Homem também podia



As imagens obtidas por scanner de uma das múmias, a do homem, revelaram que as tatuagens representam dois animais sobrepostos. Uma delas parece ser a de um touro selvagem com um rabo grande, e a outra, a de um carneiro com chifres.

Até então os arqueólogos acreditavam que apenas as mulheres tinham tatuagens naquela época.

A múmia feminina tem quatro pequenos motivos em formato de "S" no seu ombro direito.

Ela também tem um outro desenho que parece representar um bastão usado em um ritual de dança. O pigmento usado é provavelmente fuligem. 
Simbolismo

Os arqueólogos acreditam que as tatuagens indicariam um determinado status dentro da comunidade, ou de coragem ou de um certo conhecimento mágico.

As múmias foram encontradas em Gebelein, a 40 km do território onde hoje fica Luxor.

As covas em que elas estavam não eram profundas, mas graças ao calor, à salinidade e à aridez do deserto, elas se mantiveram bem conservadas.

A análise de carbono 14 indica que o homem e a mulher viveram entre 3351 a.C. e 3017 a.C.. Outro exame indica que o homem foi esfaqueado quando tinha entre 18 e 21 anos.

O exemplo mais antigo de tatuagem está em uma múmia conhecida como Ötzi, descoberta em 1991 nos Alpes, na fronteira entre Áustria e Itália, que viveu entre 3370 a.C. e 3100 a.C.. Mas os desenhos em sua pele não traziam figuras, mas apenas traços verticais e horizontais.

www.bbc.com

A descoberta em duas múmias de 5 mil anos que revoluciona o que sabemos sobre o Egito Antigo

Postar um comentário

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.