Latest Post

 
Na manhã desta quarta-feira (23) a secretaria municipal de saúde, através do posto de saúde Manoel Moreira, realizou um café da manhã para as mamães que foram se consultar. Além do coffee break a ouve também sorteio com vários brindes, após o momento de lazer os atendimentos oferecidos no posto de saúde começaram normalmente, veja as fotos



Para ver todas as fotos clique >>AQUI<<   


O MUNICÍPIO DE PENDÊNCIAS/RN, no uso de suas atribuições e com fundamento no art. 37, inciso IX da Constituição Federal de 1988 e na Lei Municipal nº 569 de 01 de março de 2013, considerando a necessidade temporária de excepcional interesse público, objetivando não interromper a prestação dos serviços públicos essenciais, torna público a CHAMADA dos candidatos do Processo Seletivo Simplificado que ficaram na suplência para a contratação de profissionais a serem encaminhados para as diversas Unidades de Saúde do Município de Pendências/RN.

Para ver o edital clique >>AQUI<<


Um bebê diagnosticado com uma síndrome rara morreu 15 minutos após o seu nascimento em um hospital na Índia, na segunda-feira (21). A criança possuía sirenomelia ou “síndrome da sereia”, nascendo com as pernas fundidas e sem o órgão sexual. Esse foi o terceiro caso da doença registrado no país.

A mãe do bebê, Disksha Kamble, de 25 anos, afirmou que sentiu fortes contrações e decidiu ir ao hospital em Maharashtra, no oeste da Índia. Ela conta que só realizou uma consulta médica durante a gestação devido à falta de dinheiro e que, por isso, só ficou sabendo que a criança havia desenvolvido a rara “ síndrome da sereia ” depois de dar à luz.

Parto complicado e o desencadeamento da “síndrome da sereia”
De acordo com o Daily Mail , o pai, Nanoba Kamble, de 32 anos, levou a esposa até a clínica depois de ela reclamar de cólicas fortes no abdômen. Entretanto, chegando ao local, a mulher já foi encaminhada para um quarto, onde passou três horas em trabalho de parto.

O ginecologista Sanjay Bansode disse ter ficado perplexo ao descobrir que o bebê, que não teve o sexo revelado, nasceu com 'uma cauda de peixe'. “É uma condição extremamente rara. Todos nós ficamos chocados ao ver a criança, já que nunca realizamos um parto com essas condições anteriormente”.

A criança veio a falecer minutos depois do parto, com anomalias internas, como deformidade renal e pulmonar.

Rara, a síndrome da sereia afeta um bebê a cada 100 mil nascimentos. Médicos da Universidade de Oxford explicam que a ocorrência dos distúrbios está relacionada a defeitos congênitos ligados a anormalidades dos vasos sanguíneos do cordão umbilical. O normal é que o feto desenvolva duas artérias umbilicais, que levam o sangue para a placenta, bem como uma veia umbilical, que faz o sentido contrário do sangue.

Segundo eles, a " síndrome da sereia " é extremamente mortal, ocorrendo, na maioria das vezes, cerca de 100 vezes mais em gêmeos univitelinos do que em gestações isoladas e em gêmeos bivitelinos.

IG


No meio de um apagão durante a madrugada, os celulares dos moradores de Lake Worth, no sul da Flórida (EUA), receberam um dos estrondosos sinais do sistema estadual de alerta de emergências. Mas a mensagem anunciava algo muito peculiar: "atividade extrema de zumbis".

A advertência incomum foi difundida por meio de uma rede que as autoridades utilizam para avisar sobre catástrofes, fuga de criminosos ou desaparecimento de crianças, entre outros casos. O alerta zumbi foi feito durante o corte de eletricidade que afetou a região nas primeiras horas do último domingo.

"Corte de energia e alerta zumbi para os moradores de Lake Worth e Terminus. Agora, há menos de 7.380 clientes atingidos pela extrema atividade zumbi. O tempo para o restabelecimento do (serviço) é incerto", disse a mensagem difundida por volta da 1h45.

Terminus é uma das cidades onde se passa a história da série sobre zumbis The Walking Dead.
Direito de imagemREPRODUÇÃO/ FACEBOOKImage captionPorta-voz da cidade se desculpou pela mensagem e disse que Lake Worth não registra nenhuma atividade zumbi.

Ficção
Wes Blackman, morador de Lake Worth, perguntou pelo Twitter se o sistema de alerta havia sido hackeado ou se o alerta era uma piada sem graça.

No dia seguinte, segunda-feira, as autoridades acalmaram os moradores - caso eles estivessem preocupados com os zumbis - e pediu desculpas pela mensagem.

"7.880 usuários foram afetados e a energia foi restabelecida em 27 minutos. Estamos analisando os avisos do sistema mencionado zumbis", disse Ben Kerr, um porta-voz municipal na página do Facebook da cidade de Lake Worth Live.

"Quero reiterar que Lake Worth atualmente não tem nenhuma atividade zumbi e me desculpar pela mensagem", acrescentou.

BBC


O mistério de como a malária se tornou uma doença letal para os seres humanos foi desvendado por um estudo genético publicado recentemente.

A pesquisa, liderada por cientistas do Instituto Wellcome Sanger, em Cambridge, comparou sete tipos diferentes da enfermidade, montando a árvore filogenética (representação gráfica da evolução) do parasita que a provoca.

O trabalho, publicado na revista científica Nature Microbiology, revelou que, há cerca de 50 mil anos, os parasitas se dividiram em dois ramos evolutivos, com um deles evoluindo para se tornar uma espécie que infecta humanos e provoca uma doença com alto índice de mortalidade.

Uma das causas dessa divisão foi uma mutação que permitiu que o protozoário causador da malária conseguisse infectar os glóbulos vermelhos do sangue.

"Nosso trabalho juntou a peças para reconstruir os passos da evolução que permitiram que o parasita pudesse não apenas entrar no corpo humano, mas ficar, se reproduzir e ser retransmitido por mosquitos", diz o especialista em parasitologia Matt Berriman, um dos autores do estudo.

Mortes no mundo todo
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a malária atinge mais de 200 milhões de pessoas anualmente. Só em 2016, quase meio milhão de pessoas morreram com a doença – na maioria, crianças menores de cinco anos.

A espécie que mais causa mortes no mundo é o Plasmodium falciparum – ela infecta o corpo humano por meio da mordida do mosquito-prego.

Mas há uma série de outras espécies que atingem grandes primatas, como chimpanzés e gorilas.
Direito de imagemNIL RAHOLA/IRD/CIRMFImage captionA pesquisa usou sangue de primatas em um santuário no Gabão, o La Lékédi Parc
Para estudar as outras espécies, os pesquisadores tiveram a colaboração de um time que cuida de primatas feridos ou órfãos em um santuário no Gabão.

Durante exames de saúde de rotina, os veterinários colheram amostras de sangue dos animais, que continham um "histórico" dos parasitas em seu corpo. Os cientistas, então, usaram os códigos genéticos dos protozoários para traçar seu caminho evolucionário.

Para bichos maiores, esse tipo de estudo normalmente é feito com fósseis, mas no caso dos parasitas não existe essa possibilidade.

Comparando os genomas das diferentes espécies de parasitas, os pesquisadores conseguiram identificar exatamente como uma parte dos genes foi mudando ao longo do tempo, e como isso levou ao Plasmodium falciparum, a especie mortífera para humanos.

Parentes próximos
Os pesquisadores analisaram sete tipos de micróbios da malária – três que atacam chimpanzés, três que atingem gorilas e a espécie que infecta humanos.
A linhagem do Plasmodium falciparum surgiu há 50 mil anos, mas se tornou mortífera para pessoas há cerca de 3 mil ou 4 mil anos.

"A expansão do humano moderno criou um ambiente no qual os parasitas evoluíram especificamente para atacar humanos", explica Berriman.

A professora Janet Hemingway, diretora da Escola de Medicina Tropical de Liverpool, diz que a descoberta é muito importante, pois mostra o momento em que o parasita cruzou a barreira entre as espécies e isso pode ajudar a ciência a reconhecer – e até evitar – padrões que possam levar ao mesmo cenário no futuro com outras enfermidades.

Há diversas doenças hoje que atingem apenas animais ou que são transmitidas apenas de animais para humanos, mas não de uma pessoa para outra diretamente ou por meio de vetor.

"Todo mundo pensa na malária como uma doença humana, mas ela começou como uma doença que atingia apenas animais", diz Hemingway. "É um trabalho que mostra porque é tão importante reagirmos à atual tendência de vírus e parasitas animais começando a infectar humanos. Não podemos dar a chance de eles se tornarem permanentemente transmissíveis de pessoa para pessoa."

BBC


O quadro é desalentador. O Senado brasileiro virou a síntese da decadência da política. Levantamento feito por ISTOÉ revela que 69% dos 81 senadores possuem alguma pendência judicial. Os números mostram que 56 estão encrencados com a Justiça. Os crimes envolvendo os parlamentares da Câmara Alta são de fazer inveja aos ocupantes de qualquer penitenciária brasileira.

Há casos de violência contra a mulher, ocultação de bens, peculato, crimes contra a fé pública, ocupação ilegal de apartamentos funcionais, crimes eleitorais, enriquecimento ilícito, corrupção, lavagem de dinheiro, além de muitos inquéritos derivados das delações premiadas da Odebrecht. 

O delito preferido dos senadores, no entanto, é a corrupção ou atos de improbidade administrativa: 49 deles respondem por crimes dessa natureza. 

A maioria, no entanto, se esconde atrás do foro privilegiado e os processos abertos para que possam ser julgados e condenados caminham a passos de cágado.

Desse cenário lamentável, porém, sobressai um dado positivo: os resultados da Operação Lava Jato no processo de saneamento da política brasileira. Afinal, houve um aumento significativo no número de senadores investigados após a deflagração da operação pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal.

 Seis senadores, inclusive, já se tornaram réus no Supremo Tribunal Federal: Aécio Neves (PSDB-MG), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fernando Collor (PTC-AL), José Agripino Maia (DEM-RN), Romero Jucá (MDB-RR), Renan Calheiros (MDB-AL) e Valdir Raupp (MDB-RO). Collor foi denunciado por propinas de R$ 26 milhões desviadas da BR Distribuidora. Gleisi, Agripino, Jucá e Raupp se tornaram réus por repasses ilícitos de empreiteiras para suas campanhas eleitorais.

Jucá também é investigado em outros 12 procedimentos. Agripino, por propinas na construção da Arena de Dunas, estádio de Natal da Copa do Mundo de 2014. Já Aécio foi acusado por pedir R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, da JBS, em março de 2017.

O tucano é alvo de mais nove inquéritos, que vão desde propinas para campanhas até fraude na licitação da cidade administrativa de Minas Gerais.

istoe.com.br


Se dentro de campo Ronaldinho Gaúcho sempre se destacou pela qualidade técnica, fora dos gramados o ex-jogador continua chamando a atenção.

Segundo informação do colunista Léo Dias, o Show Man, como era conhecido, se casará com duas mulheres em agosto. Trata-se de Priscilla Coelho e Beatriz Souza. O trio, inclusive, mora junto há algum tempo.

A festa de casamento será apenas para os familiares mais chegados no condomínio Santa Mônica, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.

Ainda de acordo com a informação de Léo Dias, a irmã de Ronaldinho, no entanto, é contra a união e avisou que não irá comparecer aos festejos.

istoe.com.br


Lançado em janeiro para smartphones Android, o WhatsApp Business já é adotado por 3 milhões de pequenas e médias empresas ao redor do mundo – mas ainda não dá dinheiro. Isso, porém, deve mudar no futuro, como garantiu Maz Sharafi, diretor de marketing da marca. “Nosso plano é monetizá-lo”, garantiu o executivo em mesa redonda com jornalistas realizada nesta quarta-feira, em São Paulo, para falar do app. “Mas queremos fazer isso sem apressar as coisas.”

O assunto foi o mais discutido durante o encontro. Sharafi bateu diversas vezes na tecla de que a ideia da empresa é, sim, construir um negócio, mas sem deixar de lado “os princípios em que a marca é baseada” – simplicidade, confiabilidade e segurança, segundo ele. O executivo, porém, não entrou em detalhes para explicar o “como” da questão, citando apenas a versão Enterprise anunciada junto com o WhatsApp Business. “Ainda é muito cedo para falar sobre ganhar dinheiro com a solução”, explicou.

O WhatsApp Enterprise foi mencionado ainda durante o lançamento da versão para empresas do aplicativo. Trata-se de uma edição com recursos a mais, focada em grandes companhias, e não apenas nos pequenos e médios negócios. Enquanto o Business tem como grandes diferenciais o perfil para as marcas, as mensagens automáticas e as etiquetas (as labels), o Enterprise deve oferecer todo um conjunto de APIs, entre outras funcionalidades, para melhor integrar as marcas à plataforma. Tudo pago, ao menos futuramente.

A situação hoje
Sharafi, que está no Brasil para conversar com donos de pequenas e médias empresas e colher feedbacks sobre o produto, também falou um pouco sobre a situação do WhatsApp Business no país. Embora não tenha dado números exatos sobre a região, o executivo comentou que, entre os 3 milhões de negócios que usam a plataforma globalmente, os brasileiros formam “um dos principais mercados para a companhia”.

Pelo que pôde ouvir dos pequenos e médios empresários, o porta-voz também contou que o perfil de empresas é o recurso mais utilizado e aproveitado pelos negócios. As mensagens automáticas vêm logo em seguida – “porque as pessoas gostam de ser respondidas quando entram em contato” –, com as etiquetas, usadas para organizar o fluxo, vindo em terceiro lugar.

Olhar Digital



A juíza federal Naomi Reice Buchwald, do tribunal federal do Distrito Sul de Nova York, nos Estados Unidos, proibiu hoje (23) o presidente norte-americano, Donald Trump, de bloquear usuários da rede social Twitter que são críticos ao seu governo, por considerá-lo “inconstitucional”, ao atentar contra os seus direitos.

Naomi Reice Buchwald decidiu que o presidente não pode bloquear usuários desta rede social, já que esta decisão viola os direitos coletados na Primeira Emenda da Constituição, na qual estão a liberdade de expressão e a liberdade religiosa. A magistrada considerou que o Twitter do presidente deve ser tomado como um “fórum público” e que bloquear usuários “se baseando nas suas mensagens políticas constitui um ponto de discriminação que viola a Primeira Emenda”, segundo comenta na decisão, de 75 páginas.

“Respaldamos que a expressão na forma na qual eles a exercem está protegida pela Primeira Emenda e que o presidente (…) exerce o controle governamental sobre certos aspectos da conta @realDonaldTrump, incluindo o espaço interativo dos tuítes enviados a partir da conta”, argumentou a juíza.

Neste sentido, ela disse que “a exclusão de indivíduos desse designado fórum público é rejeitado pela Primeira Emenda e não pode ser justificada pelo interesse do presidente na Primeira Emenda”. O caso começou a partir de um processo contra o presidente registrado por parte do Instituto Knight da Primeira Emenda na Universidade de Columbia e de outros usuários da rede social em questão.

O uso das redes sociais se tornou uma das principais excentricidades de Trump, que fez do seu perfil do Twitter uma fonte de informação na qual anunciou mudanças de gabinete ou insultou líderes de outros países. Na sua conta do Twitter pessoal @realDonaldTrump, que se acrescenta à oficial @POTUS, Trump conta com mais de 52 milhões de seguidores, segue 46 contas e redigiu um total de 37.613 publicações.

Agência Brasil / EFE


A Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil alerta prefeituras de 153 cidades do Rio Grande do Norte inseridas no decreto estadual de situação de emergência (nº 27.764 de 16 de março de 2018), para que preencham o Formulário de Informação do Desastre (FIDE), ferramenta de comunicação oficial do Ministério da Integração Nacional para informação da situação de emergência pela seca. O prazo encerra na próxima sexta-feira (25).

O preenchimento do FIDE é de fundamental importância para a continuidade de ações emergenciais de combate aos efeitos da seca. Caso a prefeitura não informe sua situação através do formulário, o Ministério da Integração poderá não disponibilizar recursos para tomada de medidas importantes no município, como a Operação Vertente, do Governo do Estado, que abastece as populações da zona urbana através de caminhões-pipa; e a Operação Carro Pipa, do Exército Brasileiro, que abastece a população que vive na zona rural.

Saiba mais: femurn.org.br


SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um exame baseado em inteligência artificial, agora disponível no Brasil, pode dar um uma segunda chance a pacientes com câncer que não tiveram sucesso na primeira tentativa de tratamento.

Lançado neste mês pelo laboratório de análises clínicas Fleury, o exame Oncofoco é direcionado para pacientes oncológicos avançados (em geral, em fase de metástase ou com recidiva) e que não respondem aos tratamentos convencionais.

A iniciativa surge a exemplo de outras de sucesso no exterior, como uma da Quest Diagnostics e outra da Foundation Medicine, ambas americanas, diz o oncologista Mauro Zukin, do Grupo COI, do Rio. A análise acontece a partir de grandes bancos de dados (big data), acessados e interpretados de acordo com as informações do tumor e de estudos clínicos já realizados.

A matéria-prima é uma biópsia. Na primeira etapa, o DNA tumoral presente nessa amostra é sequenciado ou seja, se o genoma fosse grande lista de frases, ela seria lida letra por letra neste momento. Assim, é possível apontar as peculiaridades genéticas naquele tumor. Podem ser analisados 72 ou 366 genes, dependendo da modalidade do exame, simples ou ampliado.

Essa soletração serve de base para o sistema Watson, da IBM, que analisa todos os artigos científicos relevantes para aquele caso. Seguindo nessa analogia, são detectadas duplicações de letras, repetição e falta de palavras, além de erros de ortografia genéticos.

A inteligência artificial, então, devolve, tendo em vista as alterações genéticas do tumor daquele indivíduo, uma lista de possíveis drogas e tratamentos aos quais ele poderia ser submetido, mesmo que ainda estejam em fase testes no Brasil ou no exterior e/ou sem aprovação final por agências reguladoras, como a americana FDA ou a brasileira Anvisa.

O trabalho, realizado em segundos pelo algoritmo computacional, requereria muitas e muitas horas de esforço humano em cada caso para realizar algo parecido.

É virtualmente impossível, mesmo que dedicando 24h por dia e sete dias por semana, permanecer atualizado em todos os assuntos, mesmo que em apenas uma especialidade. O sistema faz uma curadoria dos estudos e uma análise muito extensa e sistematizada, sem viés, explica Edgar Gil Rizzatti, diretor do Grupo Fleury.

Mas isso não quer dizer que o computador decida sozinho o futuro do paciente. Ainda há uma etapa de interpretação das conclusões do Watson por uma espécie de junta de cientistas e médicos antes da elaboração do laudo final, a ser encaminhado para o paciente e seu médico.

Os exames custam R$ 5.200,00 e R$ 8.000,00 nas versões básica e ampliada, respectivamente.

Não é sempre, porém, que se encontra uma alternativa. Programas baseados em sequenciamento genômico e tecnologia de inteligência artificial são muito promissores, uma vez que podem identificar alvos terapêuticos. Infelizmente, porém, apenas uma minoria de pacientes se beneficia, diz o oncologista Gilberto Lopes, professor da Universidade de Miami e editor-chefe do Journal of Global Oncology, revista especializada em oncologia.

Seguindo Lopes, entre 50% e 60% dos pacientes com adenocarcinoma de pulmão encontram possíveis tratamentos. Isso, no entanto, não vale para a maioria dos demais tumores. Pesquisas recentes sugerem que menos de 10% dos pacientes encontram alvos ou pesquisas disponíveis. Imaginamos que no Brasil o número de pacientes que encontrem uma alternativa seria ainda menor. Esperamos que isso melhore no futuro.

Os cartões de crédito digitais são a nova febre entre usuários de smartphone. Sem anuidade, eles atraem a público jovem, que faz tudo pelo celular e não quer pagar nenhuma tarifa só para ter um cartão. O jeito fácil de solicitar online, sem necessidade de ir a uma agência física ou enviar documentos em papel, é outro fator decisivo para a crescente adesão ao serviço.

Desde o lançamento do Nubank, em 2015, o mercado brasileiro viu proliferar os aplicativos de banco digital com oferta de cartão de crédito sem anuidade. Agibank, Credicard Zero e Pag são alguns dos principais nomes que vêm ajudando a mudar o comportamento dos clientes de instituições de crédito. A seguir, o TechTudo fez um apanhado para explicar melhor sobre esse tipos de serviço e suas vantagens.

Cartão físico x cartão virtual
Quando se trata de cartão de crédito digital, o erro mais comum é confundi-lo com cartão de crédito virtual. Embora tenham nomes praticamente iguais, os serviços são diferentes. O que é chamado de cartão digital é um cartão comum, físico, tal como o que você já tem do seu banco.

A diferença do cartão digital para o tradicional está principalmente na forma de solicitar, que é toda online. Além disso, a já mencionada ausência de taxas de manutenção é uma característica comum a todos os serviços do tipo. Mas a aparência e forma de utilização é a mesma do velho cartão com anuidade, pedido na agência bancária.

O cartão virtual, por sua vez, é um recurso para fazer compras pela internet de forma mais segura. Ele possui um número diferente do cartão físico, assim como data de validade e código de segurança. Por existir apenas virtualmente, ele é gerado imediatamente pelo aplicativo, e pode ser apagado também a qualquer momento.

Abertura de conta pela internet
A velocidade e a falta de burocracia para abrir conta em uma plataforma digital é o grande diferencial desse serviço. Prometendo uma vida livre das filas de banco, Nubank, Agibank, Pag e Credicard Zero trazem aplicativos para Android e iPhone (iOS), por onde o cliente faz todas as operações financeiras.

De maneira resumida, os apps pedem para que o usuário forneça dados pessoais como CPF, RG, endereço e telefone, além de dar informações de renda e profissão. Os sistemas também pedem o envio de uma selfie e a digitalização dos documentos, que são registrados para análise. O cartão de crédito é emitido caso o usuário seja aprovado nessa avaliação, que considera se a pessoa está negativada e outros dados financeiros.

O Nubank e Credicard Zero permitem que os usuários realizem o cadastro inicial pela web. No entanto, todos eles exigem a instalação do aplicativo no celular, por onde é possível monitorar gastos, conferir e pagar a fatura, fazer transferências e controlar as transações de maneira geral.

Bandeiras e programas de recompensas
Pelo menos até o momento, todos os cartões digitais do mercado brasileiro são da bandeira Mastercard. Agibank, Nubank e Pag iniciaram as operações já com a modalidade internacional, enquanto o Credicard Zero passou a emitir cartões para uso no exterior posteriormente.

A bandeira conta com o programa de fidelidade Mastercard Surpreenda. O sistema dá pontos nas compras efetuadas com o cartão de crédito, que podem ser trocados por benefícios como cosméticos, restaurantes, viagens e shows. No entanto, a participação não é automática; é preciso se cadastrar no site de programa para começar a acumular os pontos.

Além desse, cada operadora pode oferecer seu próprio sistema de recompensas. O Nubank tem o “Nubank Rewards”, que traz como diferencial a possibilidade de abater parte da fatura ou de gastos frequentes, como do Uber ou Netflix, com a pontuação. Ele é contratrado à parte e tem um custo mensal ou anual, dependendo da escolha do cliente.

O Credicard Zero não tem exatamente um programa de fidelidade, mas parcerias com várias empresas para concessão de descontos a seus clientes. Entre as companhias afiliadas estão Uber, Credicard Hall, Decolar, Netshoes, Zattini, Extra, Magazine Luiza, Pontofrio e FastShop.

O maior banco por trás de um cartão digital é o Itaú Unibanco, responsável pelo Credicard Zero. Os outros três serviços tratados aqui são brasileiros. O Agibank é o novo nome comercial do Agiplan, banco fundado no Rio Grande do Sul. O Pag pertence ao Grupo Avista, instituição financeira sediada em Barueri, São Paulo.

O Nubank nasceu como uma startup, já com esse nome, em São Paulo.

Neon Pagamentos e os problemas com o Banco Central

As irregularidades e indícios de crimes financeiros apresentados pelo Banco Neon, parceiro da operadora de contas digitais Neon Pagamentos, despertaram a desconfiança de muitos usuários para as fintechs. Isso porque o Banco Central decretou liquidação extrajudicial do banco, fazendo com que várias funções da conta digital fossem bloqueadas.

A intervenção do BC não teve como alvo principal a Neon Pagamentos, e sim o Banco Neon S.A., sediado em Belo Horizonte. No entanto, as empresas de tecnologia precisam operar em conjunto com uma instituição financeira para atuar no sistema bancário. Com o banco parceiro suspenso, a maior parte dos recursos da conta digital foi bloqueada.

A empresa, que afirma ter mais de 600 mil usuários, já conseguiu um novo parceiro para voltar às atividades – o Banco Votorantim. Com isso, serviços como cadastro, saques em bancos 24 horas, transferências e compras na função débito já voltaram a funcionar. Outras operações, como cartão de crédito, depósito por boleto e pagamentos continuam desativados.

Globo/Techtido, com informações: Nubank, Agibank, Credicard Zero, Pag, Agência Brasil e Neon Pagamentos



Três voos que vinham para o Aeroporto de Brasília na tarde desta terça-feira (22) foram cancelados devido aos protestos dos caminhoneiros – segundo a Inframerica, administradora do espaço, o combustível está contingenciado por causa dos protestos dos caminhoneiros que ocorrem em todo o país.

Até as 15h30, as aeronaves afetadas viriam para Brasília dos aeroportos de Confins (Belo Horizonte), Congonhas (São Paulo) e Santos Dumont (Rio de Janeiro). Elas ficaram nas cidades de origem devido à incerteza de abastecimento na capital, o que impediria a volta da tripulação.

Voos saindo de Brasília ainda podem ser cancelados até o fim do dia – a Inframerica se reuniu com representantes das companhias aéreas para decidir quais medidas seriam tomadas.

Segundo a Inframerica, a frota de caminhões que traz o querosene de aviação (QAV) para o Terminal está retida no Entorno do DF.

A concessionária emitiu nota na qual “lamenta o transtorno que a situação pode gerar aos passageiros” e cobra “o inegociável direito à segurança das operações aeroportuárias”. A administradora recomendou que os passageiros busquem informações junto às companhias aéreas.

G1


Nesta terça-feira (22) a secretaria municipal de Assistência e Promoção Social, através do Serviço De Convivência E Fortalecimento De Vínculos (SCFV), realizou palestras com equipe do conselho tutelar sobre direitos e deveres das crianças e adolescentes

As palestras foram dadas para as turmas do matutino e vespertino, na ocasião os alunos tiveram a oportunidade de perguntar e tirar suas dúvidas de quais são os seus direitos e deveres com os conselheiros tutelares.

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.